domingo, 13 de agosto de 2017

CENTENÁRIO DA ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA (1917-2017)



CENTENÁRIO DA ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA

AS ACADÊMICAS
A partir da esquerda: Ediline Matos, Urania Tourinho Peres, Gerana Damulakis, Yeda Pessoa de Castro, a presidente Evelina Hoisel, Suzana Alice Cardoso, Gláucia Lemos.

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

POSSE DE CYRO DE MATTOS NA ALB

A partir da esquerda da foto na tela: os acadêmicos João Eurico Matta, Carlos Ribeiro, Aleilton Fonseca, Gerana Damulakis, Cyro de Mattos, Aramis Ribeiro Costa, Joaci Góes, a presidente Evelina Hoisel, Urania Tourinho Peres e  Dom Emanuel d'Able do Amaral.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

CYRO DE MATTOS ELEITO PARA A ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA

Cyro de Mattos foi eleito para a cadeira 22, sucedendo o poeta Clóvis Lima, da Academia de Letras da Bahia. Poeta e prosador, Cyro tem 55 títulos publicados e era membro correspondente da ALB porque mora fora de Salvador. Com a mudança no estatuto da instituição, Cyro de Mattos foi indicado e eleito membro efetivo.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

CONVERSAS COM HÉLIO PÓLVORA

As "orelhas" do meu livro Conversas com Hélio Pólvora estão assinadas por Aramis Ribeiro Costa. Segue o texto:

As  Conversas com Hélio Pólvora realmente existiram, e não somente nas entrevistas que são publicadas neste livro. Foram conversas que se tornaram uma única conversa ao longo de mais de vinte anos, do momento em que se conheceram àquele final em que ele partiu, deixando um imenso vazio em todos aqueles que o conheceram ou o leram.

O que uniu Gerana Damulakis e Hélio Pólvora, tornando-os grandes amigos e grandes interlocutores, foi o amor de ambos pela literatura, mas, principalmente, pela leitura. Grandes e apaixonados leitores, e não apenas dos consagrados, mas também dos que surgiam no cenário inesgotável das letras, eles tinham como assunto principal autores e obras, que discutiam à exaustão e com um enorme prazer em fazê-lo. Não foram poucas as vezes que leram propositadamente ao mesmo tempo os mesmos livros, com o intuito de trocarem ideias, durante e após a leitura.

Mas não apenas. Publicavam, ambos, com regularidade, resenhas e pequenos ensaios no Caderno Cultural de A Tarde. Gerana manteve, durante quatro anos, uma coluna semanal de crítica literária no Caderno 2 desse mesmo jornal, e ele a considerava a sua crítica oficial, encarregando-a de fazer as primeiras resenhas de seus novos livros, em jornais e periódicos. Também as entrevistas. Hélio não gostava de falar dele mesmo e de sua vida pessoal, talvez porque para ele o principal não fosse ele próprio, mas a sua obra. Escolhia Gerana Damulakis para entrevistá-lo, porque ela, além de conhecer profundamente a sua obra, e admirá-la, fazia-lhe, nas entrevistas, perguntas que diziam respeito à literatura, e não à vida pessoal do escritor. O resultado desse exercício permanente de cumplicidade e troca literária, encontra-se neste livro, escrito, na verdade, ao longo desses mais de vinte anos de convivência.

Por tudo isso, mas não unicamente pelo compromisso afetivo com o autor objeto desta obra, a sucessora de Hélio Pólvora na Cadeira número 29 da Academia de Letras da Bahia, a crítica literária e leitora Gerana Damulakis não podia deixar que se perdessem essas conversas, documentos que são da visão literária, da experiência, do conhecimento, do talento e da arte desse excepcional escritor que foi Hélio Pólvora, cuja obra de ficcionista é um patrimônio perpétuo da Bahia, a ser mais conhecida em todo o país.

Às entrevistas, a autora destas Conversas acrescentou textos seus sobre o escritor, publicados também ao longo desses muitos anos, exemplos de sua visão crítica, e que são outras tantas conversas, já que, ao serem dados a público em jornal, foram, na ocasião, lidos e comentados pelo próprio Hélio.



                                                           Aramis Ribeiro Costa

domingo, 24 de julho de 2016

LANÇAMENTO DE LIVRO DE ARAMIS RIBEIRO COSTA - DIA 02/08 NA ALB

 O ex-presidente e membro benfeitor da Academia de Letras da Bahia, Aramis Ribeiro Costa, lança, no dia 02 de agosto (terça-feira), o seu mais recente livro de contos, Retorno em tarde sem sol. A cerimônia acontece na sede da ALB, no Palacete Góes Calmon, no bairro de Nazaré, às 18 horas.

      A obra reúne quinze contos curtos, principalmente em relação às narrativas habituais do autor, que classifica como “pequenas aquarelas do cotidiano, carregadas, aqui e ali, nas tintas de algumas circunstâncias inusitadas”. Os textos trazem várias de suas características mais conhecidas, como o cenário, que é invariavelmente a cidade do Salvador, capital da Bahia, e a fluência e sedução do estilo, que fazem com que o leitor, uma vez tendo iniciado o volume, não o abandone antes da última palavra.

     Aramis Ribeiro Costa ocupa a Cadeira nº 12 da Academia de Letras da Bahia. É um dos principais escritores da literatura baiana contemporânea. Com mais de dez livros em edição nacional, entre conto, novela e romance, tem publicado mais contos que os demais gêneros. A sua obra de contista mereceu da editora da Universidade de Santa Cruz, a Editus, a publicação de um alentado volume de Contos Reunidos, na Coleção Nordestina, que circula nas universidades de todo o Nordeste, sendo objeto de estudos universitários em vários estados.